O seu browser não é o mais indicado para ver este site porque não suporta Javascript. Actualize-o por favor.
 | Adicionar aos Favoritos
Página Inicial | Turismo | Pontos de Interesse | Curiosidades | Barco Rabelo
Filtragem
Barco Rabelo
O barco rabelo é uma embarcação típica do Rio Douro usada para transportar as pipas de Vinho do Porto do Douro, onde as vinhas se localizam, até Vila Nova de Gaia, onde o vinho era armazenado e posteriormente comercializado.

Sendo um barco de rio de montanha, e com um comprimento entre 19 e 23 metros, o rabelo não tem quilha e é de fundo chato, construído com com tábuas sobrepostas. Com uma vela quadrada, o rabelo era manejado normalmente por seis ou sete homens. Quanto aos mastros, os primeiros só usavam um, enquanto que os segundos usavam também um mastro à proa. Para governo, utiliza um remo longo à popa – a espadela. Quando necessário, os barcos eram puxados a partir de caminhos de sirga por homens ou por juntas de bois.

Actualmente, a sua actividade é diferente, sendo utilizados pelos turistas para passeios no rio Douro.


Nomenclatura

Adriça - corda que passa por uma roldana presa ao mastro e com que iça a vela
Apegadas - castelo de comando; ponte do arrais
Arrais - proprietário do barco
Bambinelas - cortinas que se prendem na parte posterior da apegada
Batedouro - pá de madeira, de uma só peça, usada para tirar a água do fundo do barco
Bicheiro - pau terminado por um gancho de ferro para ajudar à manobra de atracar
Bordados - tábuas que rematam as amuradas do barco
Cabaço - baldes
Cabrestos - cordas que se prendem aos tornos da espadela
Cabritos - pedra nas margens, por onde costumam passar as sirgas e os cabos de arame, em sulcos e ranhuras especiais
Casco - pipa
Childeira da ré - depósito de víveres aberto sob o fundo do barco e ao qual se desce, por vezes, por um alçapão
Chumaceira - pedaço de madeira na qual se prende o parafuso onde gira a espadela
Coqueiro - é o espaço abrigado situado à pôpa do barco
Espadela - leme
Estamão - banco atravessado pelo mastro
Feitor da espadela - o mestre
Feitor da proa - cargo imediato ao do mestre
Ouças - paus onde se apoiam as pás para remar
Parafuso - eixo no qual gira a espadela
Pás - remos
Ponteador - marinheiro que vai às pás
Pote - nome da panela de ferro de 3 pés
Rabelo - nome do barco derivado de ser um barco de rabo ou cauda
Sagre - fundo do barco
Tábua do pão - prateleira dentro do coqueiro onde se guarda o pão
Traste - tábua onde se firma o mastro
Verdugos - paus que resguardam a borda e onde assentam os bordados
Verga - vara que sustenta a Vela
Volta da estameira - nó usado para dentro do barco

Caminhos da Literatura... Miguel Torga
Conheça a região, a sua paisagem física e natural, as suas gentes, os seus costumes, a sua herança cultural através... [+]
Mais Rotas e Circuitos [+]
A carregar... Aguarde por favor
Partida
Destino
Calcular Percurso [+]
© 2019 Associação Douro Histórico. Termos de Utilização powered by Glups